segunda-feira, 22 de março de 2010

Temakeria Ícone

Esse post inaugura uma nova fase do blog, que começa a contar com a ajuda de amigos e casais que nos acompanharem nas aventuras gastronômicas. Quem dá o pontapé inicial é o Braguinha, assíduo visitante e entusiasta do Restaurant Couple. E fica o desafio: estão todos convidados a contribuir. É só nos convidar pra comer junto que estamos aí!!!

Por Gustavo Braga

Para curar a derrota Tricolor no clássico contra o Palmeiras, fomos à Ícone Temakeria, na R. Leopoldo Couto de Magalhães, Itaim. Os meus três acompanhantes já conheciam o lugar, apenas eu era estreante. Mas, como se tratava de temaki, eu estava jogando em casa.

No meio do jantar o Gabs me lançou o desafio de escrever sobre este restaurante já que eles já tinham escrito no Blog há tempos e eu era o único novato da mesa. Aceitei o desafio e agucei o meu senso observador!

Primeiro ponto positivo, que logo chamou minha atenção, foi o atendimento. Fomos muito bem atendidos e orientados pelos garçons que tiraram logo os pedidos e trouxeram os temakis com rapidez à nossa mesa.

Segundo ponto que me chamou a atenção foram os clientes do restaurante. Às vezes eu tenho a impressão que existem restaurantes que são feitos para perfis específicos de clientes. Mas a Ícone é frequentada por uma galera eclética: novos, velhos, famílias, casais, grupos grandes e desacompanhados. O lugar recebe todo mundo em um espaço "pequeno", achei isso interessante.


Quando tiramos os pedidos, fui surpreendido com o pedido do casal Restaurant Couple. Ambos pediram o temaki hot e me aconselharam a fazer o mesmo. No final das contas, os pedidos ficaram assim:
- Carol, do chefe (salmão com shimeji) e salmão simples;
- Gabs, um hot e um skin;
- Mari, um hot;
- Braguinha, do chefe e um hot. Sim, experimentei o conselho dos amigos!

Só tenho elogios para fazer, todo mundo gostou do respectivo pedido, e o bate-papo foi bem animado. O salmão estava gostoso, consistência boa e demonstrava frescor. O shimeji não era diferente e, para minha surpresa e alegria, o Temaki Hot é delicioso. Foi uma novidade um temaki inteiro quente, mas está mais do que aprovado!

Ainda pedimos 3 refrigerantes, o total da conta foi R$95,48, já incluídos os 10% de serviço. Algo em torno de R$24 por pessoa. Mais do que justo para um divertido jantar com os amigos em um final de domingo! Dou nota 10 para este jantar, valeu Gabs e Mari! Voltaria a este restaurante e levaria algum acompanhante??? Sim, com certeza voltarei sozinho ou acompanhado!

*Imagem: Reprodução

terça-feira, 16 de março de 2010

Hamburgueria Nacional

Queridos leitores,

No último sábado, este blog completou UM ANO de existência. O clichê, neste caso, se faz necessário: o tempo passou voando.

Por um acaso, eu e Maricota acabamos nos dando um grande presente, de forma inconsciente, exatamente no dia em que o blog completou 365 dias de vida. As forças do universo e da fome nos levaram à Hamburgueria Nacional, no Itaim. O local - nós dois acreditamos - oferece o melhor hamburguer da cidade. No último sábado, confirmamos a suspeita.

Chegamos por lá por volta das 22h, junto com os pais da Mari - que ainda não conheciam o local. O primeiro ponto positivo é o ambiente, muito charmoso e aconchegante. Dá uma olhada:



De entrada, pedimos as tradicionais porções de fritas e onion rings. As cebolas são gigantescas e bem saborosas. Quem preferir, uma pitada de sal ajuda a temperar. As batatas são bem crocantes e salgadinhas. Atenção: em 4 pessoas, pedimos apenas meia porção de cada - e foi mais que suficiente.


Como prato principal, eu pedi um hamburguer de 200 g, com queijo suíço e mostarda dijon. O hamburguer veio bem passado - como pedido. A consistência estava deliciosa, assim como o gosto genuinamente de carne. A mostarda dijon não era picaretagem, e deu um tempero especial à combinação. Maricota foi de hamburguer com manteiga de alho e um queijo cheddar cremoso - que chegou à parte, em forma líquida, de tão quentinho. Também achou a combinação deliciosa, já que esse é o hamburguer predileto dela. De acordo com a primeira-dama, a carne - macia, e não blocada - desmanchava na boca. O pãozinho, fresco, ajudou a dar um toque especial ao prato.

O cardápio oferece, além dos lanches, saladas, sanduíches (como de pernil), grelhados e beirutes. Ainda não conseguimos provar tudo, porque os hamburgueres simplesmente não nos permitem. Mas esse é mais um ponto positivo ao restaurante, que dá opções a todo tipo de cliente.

No fim, com os sucos, pagamos cerca de R$ 40 por pessoa. Um preço justo e honesto pelo capricho no preparo dos pratos, pelo pronto e atencioso atendimento e pelo conforto do ambiente. Os pais da Mari pelo jeito também gostaram de lá. Por isso, não me resta outra opção depois de uma experiência tão gostosa. Nota 10 com louvor à Hamburgueria Nacional.

Vida longa ao melhor hamburguer da cidade. Vida longa ao Restaurant Couple!!!



* Imagens: Reprodução

segunda-feira, 15 de março de 2010

Restaurant Week - Pé de Manga

Nota rápida sobre o Pé de Manga, na Vila Madalena. Nós já falamos dele aqui, e neste sábado, em que fomos até lá para a comemoração do aniversário da minha prima, estava rolando o cardápio da Restaurant Week. Não sei se por causa do evento, ou se costuma ser assim nos fins de semana, mas o lugar estava lotado. Muito, muito cheio. Aos sábados, eles servem um buffet de feijoada a preço fixo, coma o quanto puder.

Mesmo tentada, fui de salmão ao molho agridoce acompanhado de arroz integral sete grãos, brócolis grelhado e molho shoyo, uma das três opções de prato principal. Era interessante, mas chegou frio à mesa, e o salmão não estava exatamente grelhado, o miolo veio praticamente um sashimi. De entrada, comi uma saladinha de folhas com tomate seco, mussarella de bufala e manga. Fresca. E a sobremesa, um brownie com sorvete de menta, estava sonsa.

As opções de pratos eram interessantes, mas o que eu escolhi, por exemplo, não achamos no cardápio regular do bar. É aquela mesma reclamação que fizemos sobre o Roux Bistrô. Por que fazer o cara se encantar por uma coisa que ele não vai mais achar quando voltar? É sacanagem. Outra coisa, o lugar precisa estar preparado para atender a demanda que uma Restaurant Week proporciona. Os garçons estavam visivelmente confusos e malucos para conseguir dar atenção a todos, por vezes tivemos de refazer os pedidos. E, bom, se o meu prato chegou frio à mesa... ou demorou na cozinha ou demorou na mão do garçom, enquanto ele tentava desviar da galera espremida pelo meio do caminho.

O Pé de Manga vai levar a mesma nota do Roux porque as impressões deixadas foram bem parecidas. Lugares com potencial que não souberam aproveitar a boa oportunidade do evento. Nota 2.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Restaurant Week - Roux Bistrô

Como prometido, fomos visitar pelo menos um dos restaurantes participantes da 6ª edição do Restaurant Week.

Decidimos ir ao Roux Bistrô, nos Jardins, porque foi um dos que apresentou pratos mais chamativos no site do evento.

Como em alguns locais o bicho pega - e ir de sopetão pode ser uma roubada -, eu, como um bom (e modesto) namorado, resolvi fazer as reservas para o jantar dessa quarta-feira.

Chegando lá, fomos recebidos de qualquer jeito. Não tinha ninguém para abrir a porta do local, nem para nos recepcionar. Ter feito a reserva ou não, tanto fazia. Não havia mesa reservada, muito menos uma lista de checagem. Se chegássemos e o restaurante estivesse cheio, azar o nosso.

Enfim, vamos aos pratos. De entrada, eu e Maricota pedimos Brie gratinado com confit de cebola e mix de folhas verdes de entrada. O queijo, apesar de derretido, não estava quente - o que tirou todo o charme do negócio.



De prato principal, eu fui de arroz de polvo. Se liguem nessa foto:


Apetitoso, não? Pois é, não vi nem comi nada disso. Tive que caçar pedaços minúsculos de polvo em meio a um arroz de consistência duvidosa. Em outras palavras: parecia estar cru.

Já Maricota foi de Escalope de filet com velouté de mandioquinha. O tradicional "me engana que eu gosto". Que restaurante que se preze não serve um prato desses? A primeira dama ainda reclamou do ponto da carne: ela pediu bem passada, e veio ao ponto.

Para terminar, de sobremesa eu fui de Cookie caseiro com sorvete de baunilha em fava. Bem normal, nada de novo. A Mari foi de morango cozido ao vinho tinto com especiarias e sorvete de alecrim.


Queridos leitores, leiam com atenção: SORVETE DE ALECRIM UMA OVA!!! Os picaretas colocaram sorvete de creme e nem avisaram. Dá pra acreditar?

Mas eu acho que o pior de tudo isso é que os restauranteurs ainda não entenderam o espírito do negócio. Do que adianta colocar pratos que não são servidos no dia a dia do restaurante, ou que não estejam no cardápio? O Restaurant Week é uma oportunidade única de abrir as portas para oferecer as singularidades que a sua cozinha oferece. Mas não: os chefs preferem fazer pratos básicos - e mal preparados, quase que em escala industrial - para não perder dinheiro. Uma pena.

Dou nota 2 para o Roux Bistrô por diversas razões. Primeiro porque o menu da casa parece ser muito atrativo, mas os pratos oferecidos no RW não têm nada a ver. Segundo porque foram muito mal preparados. Terceiro porque o serviço deixa a desejar. Quarto porque o que é prometido não vem no prato. Quinto porque o restaurante não aceita VR - apesar de a marca patrocinar o evento.

Em resumo: fomos enganados e ainda demos nota 2 de lambuja porque somos gente fina. Muito gente fina.


* Imagens: Reprodução

sexta-feira, 5 de março de 2010

Restaurant Week

Obesos de plantão,

Como muitos de vocês sabem, estamos em mais uma Restaurant Week. Infelizmente nós ainda não conseguimos participar desta edição, que pela 6ª vez movimenta o universo da gastronomia paulistana.



São 200 restaurantes que participam. No almoço, R$ 27,50. No jantar, R$ 39. É impressão minha ou pouco a pouco os preços vão subindo?

A novidade desse ano é que os pratos poderão ser harmonizados com cerveja Baden Baden (que eu curto bastante) e vinho Nederburg.

Prometemos que até semana que vem visitamos algum local e postamos por aqui. Enquanto isso, será que alguma boa alma já participou dessa edição? Sugestões?