domingo, 28 de fevereiro de 2010

Pie in the Sky

De volta do longo recesso de carnaval, vamos de tortinhas. Finalmente estivemos na Pie in the Sky, uma casa que fazia tempo eu queria conhecer. Fica em Perdizes, mas eu juro que senti um pé em Londres quando, na porta, ouvi dois caras conversarem em inglês, com aquele sotaque bem britânico. O segundo pé não demorou a pisar no velho continente quando vimos a porta vermelha quadriculada, imitando as famosas cabines telefônicas de Londres. Na parede, uma grande bandeira da Grã-Bretanha, e o bom e velho rock inglês embalava nossas garfadas e bate papo.


O cara que criou esse clima é um inglês casado com uma brasileira, chefe na Inglaterra e o mestre das receitas que recheiam o cardápio. O prato principal é a torta, cuja massa é incrível. Crocante, grossa sem pesar e bem temperada. E aí, meu caro leitor, você pode deitar e rolar nos recheios. Gabi foi de Steak & Stout, recheio de carne cozida na cerveja preta e alho-poró. Eu escolhi Cheese & Onion, uma deliciosa bomba com queijo, cebola, batata e mostarda dijon. Ambas estavam de lamber os beiços, mas o casal concordou que a minha pedida foi a melhor.

Pra acompanhar as 10 opções de tortas, dá pra pedir desde um purê de batatas com molho de carne até uma salada levinha. Nós preferimos dividir uma Honey & Mustard que, confesso, é de comer de joelhos. É uma batata com casca, e por isso crocante, com mel e mostarda dijon. Tudo bem que eu e Gabi não estavamos com aqueeeela fome, mas comer uma torta cada um e dividir um acompanhanto foi mais do que suficiente pra o estômago dar uma trégua.

Ponto também para a carta de cervejas da Pie in the Sky. Gabi tomou uma Baden Baden 1999, bem amarga pro meu paladar. Vi que lá eles também têm Eisenbahn e Devassa.


Eu fui de Itubaína, o nostálgico refrigerante de tutti-frutti servido numa irresistível garrafa long neck com rótulo retrô. Coisa pra colecionar.



Enquanto a gente devorava as tortas salgadas, fui tomada pelo cheiro delicioso da torta de chocolate da mesa ao lado. Eu tentei me controlar pra não comer inteira a minha Cheese & Onion e deixar um espaço pra torta doce, mas não rolou. A solução foi convencer o Gabi a me deixar levar pra casa (sim, dá pra ser feliz em casa também!), o que não foi tão difícil assim. Escolhemos Chocolate Cheesecake, com massa de biscoito, mascarpone e chocolate. Doce, doce, doce até dizer chega, mas ainda assim bem saborosa. Recomendamos dividi-la!

O casal saiu muito animado da tortaria! É gostoso descobrir que pertinho de casa tem um lugar ótimo pra sentar, comer bem e papear! Melhor de tudo isso: o preço que se paga pela experiência, que consideramos muito justo. As tortas custam entre R$ 10 e R$ 14 e os acompanhantos R$ 5 e R$ 6. A brincadeira toda nesse dia nos custou cerca de R$ 65 contando duas tortas salgadas, uma torta doce, um acompanhamento, uma cerveja (de R$ 15) e uma Itubaína. Tudo pago com VR!!! Por tudo isso e pelo serviço simples e honesto, seria injusto dar menos do que uma nota 10 - a primeira do ano! - para a Pie in the Sky.


* Imagens: Reprodução

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Maria Lima

Ter uma opção de bar e restaurante perto de casa é excelente. Só a economia de combustível e estacionamento já vale a pena. Ter como cenário a rua onde você cresceu, então... é impagável. Por isso que, vira e mexe, eu dou um pulo no Maria Lima, restaurante que fica na esquina de casa. Já falamos dele por aqui, vocês se lembram?


Só neste ano, que mal começou, já fomos lá duas vezes. Na primeira, eu e a Mari sentamos pra jogar papo pro ar junto com o Chinês e a Beca. O fato de ter Serramalte no cardápio já rende pontos pra mim. Mari e Chinês foram de refrigerante, e a Beca de suco de laranja.


Para petiscar, pedimos uma porção de bruschettas. Me surpreendeu a apresentação do prato. Vieram cerca de 12 unidades de bruschettas cortadas em cubinhos. A massa não era pão italiano, e Mari arrisca dizer que é pão de forma. Era mais mole e quabradiça. Mesmo assim, gostei bastante dos temperos combinados - apesar da demora de mais de 30 minutos para chegar à mesa. Desta vez, a conta total deu R$ 37. Justo pelo que consumimos em quatro pessoas.


Em outra oportunidade, fomos almoçar com a minha família. Eu pedi uma truta do Marquês, temperada com molho de alho poró e acompanhada de purê de cenoura e arroz. O destaque foi o purê de cenoura, muito saboroso e com uma consistência ótima. A Mari pediu um filé de Saint Peter à baiana. Ela gostou do molho, mas achou que o peixe estava pouco temperado, e não gostou do arroz, que vinha com lascas de coco ralado. Segundo avaliação, ela esperava um arroz mais molhado, e o que chegou à mesa foram grãos secos e sem graça. Largou no prato.


O ponto positivo fica para o atendimento, sempre atencioso. O garçom, percebendo que a Mari não curtiu o arroz, disse que se não gostassemos de um acompanhamento, poderiamos trocar por alguma outra opção do menu. Simpático, não é? Outro destaque são os pães oferecidos no couvert. São artesanais, massa fofa, servidos em fatias generosas, quentinhas e com recheios diferentes.


Pela consumação de quatro pessoas pagamos R$ 181. Quem quiser pagar com VR, tem que ir ao restaurante nos almoços de dia de semana. Fim de semana, é dinheiro ou cartão. Pelo conjunto da obra, dou nota 7 ao Maria Lima. O serviço é ótimo, a Serramalte chega gelada e a comida é bem feita. Mas acho que faltam pratos mais baratos no cardápio (todos são de R$ 30 pra cima) e as bruschettas poderiam chegar mais rapidamente à mesa. Ah!!! E, claro, o restaurante precisa de um site.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Levaria ou não Levaria - 1900 Pizzeria

A pizza ideal, pra mim, precisa ter massa fina e crocante e cobertura honesta. Se for de queijo, precisa chegar à mesa bem quentinha, pra que eu coma queijo mesmo, e não borracha. Se tiver calabresa, precisa ser bem passada e cortada em finas fatias. E se for de atum, a minha preferida do momento, precisa cuidar pra massa não vir molhada com água do peixe e pra não faltar sal. O resto dos sabores, vou adaptando conforme a experiência.

Conheci a 1900, pizzaria tradicional em São Paulo, com os meus pais numa segunda-feira de feriado. Gabi, cansado de um fim de semana na piscina, não quis acompanhar a nossa trupe. Perdeu. A casa é grande, com uma área externa bem bonita, mas no dia batia um ventinho e preferimos sentar numa mesa coberta.

Iniciamos os trabalhos com chopp para todos, gelado e bem tirado. De entrada, cortesia da casa, massinha de pizza temperada com parmesão. Gostosa, sem surpreender. Pedimos uma pizza de três sabores:

Atum, minha escolha


Amalfitana (mozarela de búfala, tomate seco e rúcula), pedida pela mamis.




E a XXV (presunto defumado, cream cheese, cebola caramelizada e ciboulette - cebolinha verde francesa mais fina do que a comum), escolha do papis.


Massa boa, fina e crocante como gostamos. A de atum cumpriu os pré requisitos e ficou uma delícia quando foi regada com um fiozinho de azeite. Minha mãe adorou a Amalfitana, arriscou dizer que a rúcula rejeitada por mim e pelo meu pai estava doce. E meu pai, fã da XXV, disse que já sabia que não ficaria decepcionado.

Gostamos também do atendimento. No meio do papo, nem percebemos que a pizza estava demorando um pouquinho. Quem deu o toque foi o próprio garçom, que veio nos acalmar dizendo já ter ido até a cozinha saber qual o motivo da pequena demora. Achei o serviço bem simpático e eficiente!

De sobremesa, dividimos um petit gateau. Bem feito, mas também não surpreende. Vale apenas se você for como nós e topar dividir as calorias em três.

Pelo jantar pagamos R$ 110, incluídos aí os chopps, a pizza, o petit gateau, um refrigerante, dois cafés e os 10%. A palhaçada ficou por conta do estaciomento, cujo valor é cobrado na conta. E sobre ele também contam os 10% do serviço. Por causa desse deslize bem no finalzinho, e com o qual a 1900 certamente poderia passar sem, vou dar nota 8. Mas, sim, ainda vou levar o Gabi pra experimentar a pizza. De preferência à pé.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Rolê Gastronômico (Vipiteno + Ofner)

As tardes de sábado de 2010 têm sido recheadas de novas experiências para nós. Na semana passada fizemos um passeio pela região do Itaim atrás de comidinhas. Por isso, inauguro mais uma modalidade de post no Restaurant Couple: o ROLÊ GASTRONÔMICO.

Aviso aos navegantes: pare o carro na rua (cuidado com a Zona Azul) e dê uma volta a pé nas proximidades das ruas Jerônimo da Veiga, Pedroso Alvarenga e Manoel Guedes. A região é repleta de restaurantes, padarias, bares, gelaterias, cafés e docerias para todos os gostos.

Nossa primeira parada foi a Vipiteno, gelateria relativamente nova da capital que tem causado certo reboliço no mundo das comidinhas. O local é bem simpático. Há espaço para umas 30 pessoas se sentarem. Nos fundos da loja, fica a vitrine com cerca de 20 sabores de sorvete e alguns doces gelados. É claro que atacamos os sorvetes, as especialidades da casa.

Eu experimentei o de pistache e o de frutas vermelhas, na casquinha. Achei os dois sabores ótimos, principalmente o de pistache, que ainda não conhecia. Adoro o fruto salgado, e não sabia o que esperar de uma composição doce. O sorvete é verde e incrivelmente doce com toques salgados. Não deixa de lembrar aquele grão que tiramos da casca para comer, tipo amendoim.

A Mari pediu chocolate e pitanga, no copinho. O grande destaque ficou com o de pitanga, pelo qual ela simplesmente se apaixonou por ser cítrico na medida certa. Segundo ela, cumpriu bem o papel que sempre cabe ao maracujá, na combinação preferida dela. Aplacou o doce do chocolate, sem apagá-lo.

O pedido de dois sabores sai R$ 10 por pessoa. Caro, mas valeu a pena para conhecer o local.

Em seguida (e a Mari não queria confessar isso) bateu aquela vontade de comer um salgado. Andamos duas quadras e chegamos à Ofner, que oferece uma das melhores coxinhas com catupiry da cidade - alvo certo pra Maricota. Eu pedi um croquete, que é bem sequinho e temperado na medida certa. Com uma Coca de máquina, nosso pedido saiu por R$ 12, pagos com VR.

A unidade da Ofner do Itaim é bem grande e espaçosa. Se você quiser, pode passar a tarde experimentando os salgados, doces, chocolates, sorvetes e cafés que a casa oferece. Só prepare o bolso.


Tanto a Vipiteno quanto a Ofner oferecem um ambiente delicioso pra sentar, comer e trocar uma idéia. O sorvete da primeira é excelente, massa firme e cremosa ao mesmo tempo. Os salgados da segunda não deixam a peteca cair - o que garante uma nota 8 para o ROLÊ GASTRONÔMICO - ITAIM. Para ser nota 10, o passeio precisaria ser um pouco mais barato: R$ 32 é muita grana para dois sorvetes, dois salgados e um refrigerante.

*Imagens: Reprodução