sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Nakombi

Havia um bom tempo que eu e Maricota não íamos a um rodízio japa. No último sábado, decidimos conhecer o Nakombi de Pinheiros - onde aprendemos uma lição na marra.

O lugar é super agradável, fica em uma esquina bem movimentada e ganha mais charme por ser um sobradinho arranjado de maneira arredondada. Saca só como os bancos e tatames ficam organizados de maneira charmosa:

Nas paredes, estão trechos de histórias em quadrinhos japonesas, os mangás. Grudados como lambe-lambes, os desenhos têm um quê de underground. Pra completar, há uma parede-cachoeira de uns 5 metros de altura, que emite um som de água caindo extremamente relaxante.


Bom, depois de se sentar nesse ambiente super gostoso, vamos ao que interessa. No jantar, o rodízio custa R$ 45, um preço bem salgado. Como cliente, sempre penso que preço alto exige atendimento de primeira, muita variedade no cardápio, peixe fresquinho e, claro, boas surpresas.

A variedade de pratos realmente é grande. Animou tanto que fizemos os pedidos todos de uma vez, pra não ter erro!

De entrada, experimentei pela primeira vez um ceviche de peixe prego e fiquei apaixonado. O prato, de origem peruana, consiste em um sashimi de peixe branco, sem muita gordura, mergulhado em uma solução com suco de limão. Recomendo, é muito saboroso, azedinho na medida!

Ainda na entrada, vieram duas trouxinhas de salmãoshinjo, um pastelzinho recheado com salmão e cenoura bem saboroso, que surpreendeu o casal.

A Maricota curtiu bastante o temaki de salmão skin. Disse que o recheio não estava borrachudo nem muito gorduroso - no tamanho certo.

Nota triste é o shimeji, que vem em porções individuais dentro de papel alumínio. O bom e velho "fui aquecido no microondas, e daí?".

Com tanta entrada, já estávamos ficando fartos e... eis que chega o prato principal, com os sushis, sashimis e afins. Eu havia pedido prioritariamente de salmão, com algumas opções de peixe branco. E, para minha surpresa, realmente veio do jeitinho que pedi. Os peixes estavam extremamente frescos. O peixo branco desmanchava na boca, estava uma delícia.

Mas aí fomos comendo, e fomos comendo, e fomos comendo... até que chega o yakissoba e os teppans de frango. E-XA-GE-RO! Fica o alerta aos navegantes: quando forem ao Nakombi, peçam um prato por vez. Não se animem com as entradas, porque só com elas já é possível fazer uma refeição completa.

A brincadeira custou R$ 112, com três refrigerantes e os 10% do serviço. Vou dar nota 9 para o Nakombi, porque está muito bem localizado, o ambiente é agradabilíssimo, o atendimento é muito bom, os peixes são frescos mas, pelo preço, o teppan de frango deveria vir empanado (e não frito, igualzinho ao que como em casa) e o microondas do shimeji poderia ser substituído pela chapa.

O Restaurant Couple veste a camisa do movimento "Shimeji na chapa - JÁ!".

*Imagem: Reprodução

3 comentários:

  1. Se o shimeji estava no papel alumínio, com certeza não foram feitos no microondas. Esperimente pôr papel alumínio no microondas e terá a prova.... Percebe-se que vc nunca passou perto de uma cozinha...

    ResponderExcluir
  2. Olá, amigo anônimo!

    Então, a idéia é que a pessoa esquenta o shimeji no microondas e depois o coloca dentro do papel alumínio, para mantê-lo aquecido.

    A consistência muda e ele não fica tão fresquinho...

    Shimeji na chapa JÁ!

    Abraços,

    Gabriel e Mariana

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir