sexta-feira, 30 de outubro de 2009

D'Olivino - o retorno

A Restaurant Week acabou e deixou como marca o D'Olivino, a nossa grata surpresa da edição. Você se lembra? Pois bem, eu estive lá novamente, dessa vez com a mamãe, depois de uma tarde mãe e filha melhores amigas muito, muito gostosa. Eu me lembrei do D'Olivino de supetão, depois que nos esquecemos do relógio e nos lembramos da hora apenas quando nossas barrigas começaram a xiar com força. Já eram 17h, e que lugar estaria aberto pro almoço? Pra ter certeza de que as portas estariam abertas, o Gabi salvou a gente ligando lá e reservando uma mesa. Ai, que chique.

Nós chegamos por volta das 17h30, e encontramos outros esfomeados atrasados como nós. Havia mais umas seis mesas ocupadas, por casais em especial. Estava uma tarde de sábado gelada, e os namorados aproveitavam pra encostar os corpos enquanto comiam e bebiam vinho sem pressa. Um cenário bem aconchegante. Eu e minha mamis até podíamos arriscar um abraço, mas não adiantaria. Friorentas do jeito que somos, só uma manta bem quentinha pra salvar! Essa foi a única reclamação dela, que foi ao D'Olivino pela primeira vez: a casa é bem gelada e aberta, e o frio deixa o almoço desconfortável pra quem, como nós, sofre com qualquer ventinho. Mas nada que um daqueles aquecedores similares a um poste não resolva.

Fora o friozinho, só elogios. Eu sugeri que pedíssemos de entrada as bruschettas que eu comi com o Gabi da outra vez, aquelas tradicionais e as de cogumelos. Antes que elas chegassem a mesa, porém, aterrisou por ali um couvert generoso e muito bom. Eram várias paezinhos e antepastos (não me lembro exatamente, mas acho que manteiga temperada, beringela, sardela) e o ítem fofo, um mini - mini mesmo - pão italiano servindo de prato para um cremoso e bem temperado creme de queijo. A gente se arrependeu de ter pedido entrada, embora as brusquettas também estivessem deliciosas!

O meu principal foi um cordeiro ao molho de canela e vinho com uma massa em formato de arroz (não me lembro o nome, sorry!) no molho de tomate. A começar pelo cheiro delicioso, imprescindível pra que a gente decida se aventurar num prato, tudo estava perfeito. A carne macia e no ponto regada nesse molho marcante mais a pequena porção desse macarrão diferente e levinho combinam muito bem! Minha mãe, um pouco mais light do que a filhota (como sempre!), escolheu um robalo com risoto de cogumelos e frutos do mar que estava igualmente interessante. Ela aprovou.

Além de toda essa comida, tomamos um refrigerante cada uma e resistimos às sobremesas. A conta deu R$ 140, incluídos os 10%, que mais uma vez foram muito merecidos. Da porta à mesa, e vice-versa, o atendimento no restaurante é excepcional. Como já comentei aqui algumas vezes, acho extremamente simpático quando o garçom pergunta se tudo está de acordo, se pode ajudar a escolher o prato, ou seja, a decifrar o cardápio, e lá é sempre assim. Não tem como se sentir desamparado.

Vou manter a nota 10 do D'Olivino, é claro. E espero que as minhas andanças com o Gabi proporcionem mais almoços gostosos entre mãe e filha. É pra isso que esse blog se presta também!

3 comentários:

  1. Como todas as tardes, dias e noites que passeamos juntas, esta não seria diferente...
    Foi um delicioso almoço. O lugar é realmente um charme com um cardápio bem diferente e gostoso...
    Deixaram saudades, o lugar e o passeio.

    ResponderExcluir
  2. mariana! Que delicia (fome) de blog!
    Passa o endereço do Petit para o seu marido!
    Obrigada pelas elogios!
    Bjs,
    Flavia

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir