sexta-feira, 19 de junho de 2009

Nagayama

Sexta-feira, dia dos namorados, e o casal não havia combinado nada pra comemorar. Só decidiu sair de casa pra comer quando já eram quase 22h30. Nós tentamos uma mesa em dois restaurantes na região da Consolação, mas ambos tinham uma hora de espera. E nem no melhor dos restaurantes nós ficaríamos esperando por uma hora (pra mais) um lugarzinho pra comer. Rapidamente, o anfitrião se lembrou do Nagayama, um lugar especializado em comida japonesa que ficava ali perto.

Eu esperava um desses rodízios completos em ambiente descolado, e me surpreendi. O Nagayama fica numa casa discreta, não serve rodízio, só pratos à la carte, e tem um público super tradicional. Na mesa ao lado da nossa, por exemplo, dois casais conversavam animadamente em... japonês! Quando abro o cardápio, uma surpresa desagradável: preços salgadíssimos. Questionei como é que, em tempos de rodízio, um restaurante japonês continua servindo pratos à la carte por preços tão altos. Achei que não compensaria. E confesso que, bem dentro de mim, fiquei "pê" da vida por o Gabriel ter levado a gente lá.

Mas aí, dei a primeira mordida num temaki de salmão skin. E qualquer sentimento ruim que eu pudesse alimentar não teria vez diante daquela saborosa entrada. Para uma pessoa como eu, que sempre larga a pontinha porque o cone é grande demais e vem com recheio de menos, o tamanho do temaki do Nagayama é na medida. Nem muito grande que me faça deixar a pontinha do cone e reclamar da falta de recheio, nem muito pequeno que não me satisfaça.

Dalí em diante foi só alegria. Mandamos ver numa porção de shimeji que chegou à mesa pelando e super sequinha. Depois, dividimos um Teppan Yaki misto. Pudemos escolher três ingredientes, e fomos de salmão, camarão e lula. As carnes, mais um bocado de legumes (cenoura, brocólis, beringela, broto de feijão e vagem) chegaram numa chapa de ferro super quente sobre um apoio de madeira - como manda a tradição.

Acompanhava o Teppan uma cumbuquinha de arroz e outra de missoshiru, uma sopa japonesa. Só de lembrar dá água na boca. Eu que não sou muito fã de lula (mas fã em excesso dos outros dois componentes do prato) adorei a que comi. Ela veio muito bem grelhada e temperada, senti um toque de limão. Só lamentamos o fato de ter vindo apenas dois camarões, dos grandões. Aceitável só porque o prato é individual, embora dê muito bem pra duas pessoas que já se serviram de alguma entrada.

Nem sobrou espaço pra sobremesa. Pedimos logo a conta, já sabendo o que nos esperava. Três refrigerantes + dois temakis + uma porção de shimeji + um teppan yaki = R$ 155. Acho caro, mas não sejamos injustos: a comida é deliciosa, o atendimento impecável e o lugar é muito agradável. Pra quem pode bancar, vale a pena. Nota 10.

Nenhum comentário:

Postar um comentário