sábado, 28 de março de 2009

Le Manjue Bistrô

Logo na primeira garfada, o choque para um sistema digestivo acostumado com gordura, sal, tempero e condimentos abusivos. No lugar, um sabor leve e fresquinho, que faz relembrar ao paladar que ele não precisa ficar refém de estímulos extremos para ser feliz.

Essa foi a sensação de comer no Le Manjue Bistrô, na Vila Madalena. Tanto no prato da Mari (Arroz, camarão à provençal, banana e curry) quanto no meu (Tilápia marinada em ervas ao molho de maracujá, com couscous à marroquina), a única palavra que pode definir a sensação é DIFERENTE.

Diferente porque a apresentação do prato é linda, toda colorida e cheia de nomes difíceis (na boa, só a garçonete consegue decorar tudo).

Diferente porque são tantos sabores que estão fora da nossa dieta que em certos momentos é impossível decifrar o que estamos jogando goela abaixo.

Diferente porque as combinações não necessariamente são perfeitas, mas há tanta raridade naqueles pratos que você decide que sim, deu certo.

Diferente porque se bobear foi a primeira vez na vida que entrei num restaurante natureba.

Ok, ok... talvez me irrite um pouco esse conceito de tentar viver de clorofila, fazendo fotossíntese. Mas tenho que confessar que a culinária tem uma variedade bacana de pratos e de sabores.

Só que tem algo de errado em tudo isso.

A idéia dos donos do lugar é a seguinte: "unir alta gastronomia a uma alimentação orgânica e funcional." Pelo amor de Deus, alguém me diga o que é uma alimentação orgânica e funcional! Vale a pena entrar no site dos caras e tentar entender o que eles explicam... chega a ser hilário!

O cardápio dos malucos parece uma Bíblia doutrinária da seita "sou verde, e daí?". Tem umas 20 páginas, 10 delas tentando esclarecer a pegada do restaurante. E pra tornar as coisas um pouquinho mais críticas, as opções de pratos não são auto-explicativas. Quem chega pela primeira vez fica perdido, porque não faz a mínima idéia de que raios se trata "raita de iogurte com ervas" ou "ceviche com crumble de Quinua".

A mesa para dois, ainda, é bem curtinha e apertada.

São muitos errinhos e detalhes que, somados, infelizmente tiram o Le Manjue Bistrô da lista seleta dos bons restaurantes de São Paulo. A conta, devidamente paga pela primeira dama, tem grande responsabilidade nisso. Couvert da casa + 3 sucos + dois pratos + 10% de serviço (merecidíssimo) = R$ 166. Um absurdo, até porque nem sobremesa pedimos. Racionalmente falando: se aquilo tudo que eu comi não passou por processo industrial, então por que raios foi tão caro?

Nota 6, porque o bom gosto do chef deixa os pratos deliciosos e incomparáveis.

Se quiser ser diferente, surpreenda. Mas... como diz o Bial: use filtro solar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário